Zarattini retira candidatura à prefeitura de SP por discordar de Colégio Eleitoral



Foto: Gustavo Bezerra

A manutenção pela direção nacional e municipal do PT do modelo de encontro virtual com a participação reduzida dos filiados para escolha do pré-candidato do partido à prefeitura de São Paulo fez com que o deputado federal Carlos Zarattini (PT/SP) retira-se o seu nome da disputa. A escolha do candidato está agendada para sexta-feira dia 15 de maio e deve-se estender até o sábado.

O parlamentar anunciou nesta quinta-feira, 14, a decisão argumentando que não participaria da disputa por meio de um “colégio eleitoral”, essa é a forma como classifica o modelo definido pela direção do partido para realização da escolha do pré-candidato à prefeitura de São Paulo. “PT em São Paulo tem 180 mil filiados e o modelo proposto vai contar com a participação de apenas 615 militantes e filiados. Isso demonstra que não haverá uma prévia democrática, não será uma consulta ampla e aberta a todos os filiados. No PT, a última palavra sempre coube aos militantes e filiados. E é isso que faz a nossa diferença no panorama político do País. Por isso, decidi não participar desse colégio eleitoral”.

Em carta aos militantes, Zarattini explicou a sua decisão, alertou sobre a importância da unidade partidária e se absteve de apoiar as candidaturas que seguiram na disputa: deputado federal Alexandre Padilha e do ex-deputado Jilmar Tatto. “Aos meus apoiadores que estarão presentes como delegados, peço-lhes que reflitam e votem conforme suas consciências lhes indicar. Aos dirigentes e delegados que não me apoiam, também peço a clareza de voltar ao caminho original que nos unificou – o das prévias, ainda que eletrônicas, por causa da pandemia”.

Zarattini destacou ainda que a construção da unidade no PT será essencial na campanha “Fora Bolsonaro”. “Meu desejo é que tenhamos essa convergência, sobretudo neste período histórico em que o bolsonarismo representa um risco mortal para a democracia. A unidade do nosso partido é mais do que nunca necessária, urgente e imprescindível”.

Leia carta na íntegra:

Aos Diretórios Municipal e Zonais do PT