ANÚNCIO DA REALIZAÇÃO DO PRIMEIRO VOO DO AVIÃO CARGUEIRO KC-390, DE PRODUÇÃO NACIONAL, NA BASE DA EMBRAER NO MUNICÍPIO DE GAVIÃO PEIXOTO



Pronunciamento encaminhado pelo orador.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, a história da Força Aérea Brasileira (FAB) e da indústria nacional de defesa ganhou novo capítulo com o primeiro voo do maior avião já projetado no Brasil, o KC-390, realizado em fevereiro de 2015, na base da EMBRAER, em Gavião Peixoto, interior de São Paulo. A aeronave está sendo desenvolvida e fabricada pela EMBRAER Defesa e Segurança (EDS) em parceria com a FAB, que aportou mais de R$ 4 bilhões ao projeto e possui a propriedade intelectual. A intenção hoje é que o KC-390 venha substituir as missões do avião C-130 Hércules na frota da Força Aérea.

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, faz-nos entender com mais exatidão esse projeto ao declarar que o “KC-390 será a espinha dorsal da aviação de transporte da FAB da Amazônia à Antártica e terá um papel fundamental para os mais diversos projetos do Estado brasileiro, da pesquisa científica à manutenção da soberania”.

O KC-390, maior aeronave já fabricada na América Latina, é um dos pilares da Estratégia Nacional de Defesa e sua produção no País; a previsão é de que já em 2016 tenhamos 28 unidades do novo modelo de cargueiro; é um importante reforço tecnológico e a estruturação de equipamentos ao Exército, Marinha e Aeronáutica compõe projetos que reforçam a cadeia produtiva da indústria de defesa. Um produto que já nasce, pela primeira vez na história da indústria nacional, com possibilidades concretas de ser exportado.

Recentemente, a FAB assinou contrato com a SAAB para aquisição de 36 caças Gripen NG e inauguramos em Itaguaí, no Rio de Janeiro, o estaleiro para a construção de cinco submarinos brasileiros, com prospecção nuclear, projeto com investimentos de R$ 28 bilhões. Outro grande progresso foi a implementação do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras, o SISFRON. Esse sistema vem garantindo tecnologia de informação e ocupação das áreas de fronteira, fundamental para impedir não apenas a integridade territorial do Brasil, mas também para combater o narcotráfico, a criminalidade de modo geral e inclusive a preservação do meio ambiente nacional em áreas tão importantes como a Amazônia e o Pantanal.

Os atuais acontecimentos demonstram que o Brasil vive hoje um novo momento nas Forças Armadas, na defesa brasileira como um todo, porque nós passamos a construir um projeto de defesa que é muito mais do que uma somatória de ações, como vinha sendo feito anteriormente. É um projeto robusto que busca atuações em prol de fortalecer uma política nacional de defesa e nos inclui no seleto grupo de países que possuem produtos no mercado de defesa.
Esse cenário reafirma que nosso projeto de desenvolvimento científico, tecnológico e industrial na área de Defesa Nacional está sendo capaz de fazer com que o nosso País evolua tanto do ponto de vista do conhecimento, dos meios de defesa, como do ponto de vista de garantir autonomia brasileira. E isso está sendo colocado em prática com investimentos e visão estratégica. Muito se avançou na Estratégia Nacional de Defesa.

Sr. Presidente, senhoras e senhores, o Brasil que estamos construindo, superando conflitos do passado e as dificuldades que surgem a todo momento, é um país comprometido com a recuperação da capacidade operacional das Forças Armadas, a implementação de uma Estratégia Nacional de Defesa.
E, nós, Deputadas e Deputados aqui no Parlamento, estamos trabalhando para acompanhar as ações políticas, legislativas e orçamentárias necessárias para o seguimento desse projeto vitorioso, centrado no desenvolvimento e proteção do nosso povo brasileiro.

Obrigado.